Pontos turísticos da Argentina: visite os hermanos sem perder nada

A superação da rivalidade entre Brasil e Argentina começa por uma descoberta: há mais pontos em comum entre os dois países do que possa imaginar nossa humilde sabedoria.

A começar pela origem. A formação da argentina, desde os primeiros tempos da conquista e da colonização até a independência, faz parte da expansão dos povos cristãos da Europa, que os portugueses haviam inaugurado e que culmina com o desembarque de Cristóvão Colombo no Novo Mundo em 1492.

Não é difícil perceber que os pontos turísticos da Argentina revelam traços da colonização europeia, tal como percebemos em diversas partes do Brasil.

Neste artigo, conheça alguns pontos turísticos da Argentina que valem o destino das férias.

A comparação entre os pontos turísticos da Argentina com os do Brasil mostra que há semelhanças entre a formação de ambos os países.

Um pouco sobre a Argentina

Segundo maior país da América Latina em território, a Argentina tem cerca de 43 milhões de habitantes. Por lá, faz um pouco mais frio.

O clima temperado varia entre o subtropical, ao norte, e o subpolar, no extremo sul. Já pelo centro os verões costumam ser quentes com trovoadas e chuvas de granizo – os maiores do mundo na região mais a oeste.

Os principais pontos turísticos da Argentina

Alvear Palace e cemitério da Recoleta

No coração da elegante área da Recoleta, no Bairro Norte de Buenos Aires, o tradicional Alvear Palace é um hotel de luxo com traços mais europeus do que argentinos. No interior, encontram-se móveis originais de Luís XVI, último rei da França antes da Revolução Francesa.

O jardim do último andar permite uma encantadora vista para a cidade de Buenos Aires, capital argentina.

Nos arredores, está o histórico cemitério da Recoleta, onde estão enterradas gerações de presidentes, poetas e escritores da elite argentina – entre eles, Evita Perón.

São solenes túmulos de poderosas personalidades do país. A dica é fazer bom proveito da visita guiada que proporciona mais informações sobre a vida dessas personalidades.

O mais interessante é que cerca de 70 túmulos foram declarados patrimônio nacional. “Não chore por mim, Argentina. Estarei sempre perto de você, a verdade é que eu nunca te deixarei”, diz a lápide do túmulo de Evita.

O Alvear Palace Hotel encontra-se localizado na área da Recoleta, em Buenos Aires, onde estão muitas atrações turísticas e imóveis valorizados.

Las Tanguerías

O tango reina na noite de Buenos Aires. O lamento angustiado de amor atormentado é transformado em dança sensual na casa de tango El Viejo Almacén, na Casa Blanca e no pequeno e esfumaçado Bar Sur. As salas ficam lotadas.

Para provar que o tango está em toda parte, na Plaza Dorrego, os shows espontâneos de tango de dançarinos amadores, aos domingos, comprovam a popularidade da música que, na Argentina, sobreviveu nos anos do sucesso do rock.

O Bar Sur parece mal iluminado, mas mostra propositalmente o ambiente das casas de tango.

Teatro Colón e Gran Café Tortoni

Continuando pela vida noturna de Buenos Aires, o mais imponente dos teatros da Argentina é o Teatro Colón. Construído em 1908 e orgulho nacional, o local tem uma acústica perfeita.

Está aberto à visitação e conta com nada menos que mil funcionários. O Salón Dorado, no estilo de Versalhes, apresenta concertos de música gratuitos quase todas as noites.

Na mesma região se encontra o Gran Café Tortoni, na Avenida de Mayo, que é o mais antigo da cidade. Por lá, passaram figuras ilustres como Albert Einstein, Joseph Baker e outras personalidades. Tem decoração original do século XIX. A especialidades da casa é a sidra suave.

No Tortoni, há também shows de tango todas as noites, exceto às terças. Na sexta e no sábado, o jazz toma conta da casa.

O Teatro Colón é “o mais belo teatro que já vi”, nas palavras do bailarino Mikhail Nikolaévich Baryshnikov.

Estâncias argentinas: Los Alamos, La Benquerencia, Quemquemtreu e Huechahue

Assim como a cidade de Mendonza, a estância de Los Alamos é um oásis de vinhos e vinícolas. Erguida no século XIX, como uma fortificação na fronteira, a casa ficou, mais tarde, conhecida como salão literário e retiro rural de personalidades literárias como Jorge Luis Borges.

Hoje é possível visitar as vinhas da região de 4.800 ha a cavalo ou de jipe. Trata-se de um hotel cheio de experiências e está localizado a 965 quilômetros de Buenos Aires e a duas horas de voo de Mendonza.

Outras estâncias famosas na Argentina são: La Benquerencia, a 121 quilômetros ao sul de Buenos Aires; Quemquemtreu, a 90 minutos de carro de San Martín de Los Andes; e Huechahue, a 72 quilômetros de San Martín.

As estâncias da Argentina são pontos turísticos que já foram refúgio de escritores, artistas e visitantes.
Viajantes experimentam a vida de caubói na Patagônia ao hospedar-se na Estância Huechahue.

Qual a melhor época do ano para visitar a Argentina?

O extenso território argentino permite latitudes que variam de 22º a 55º. Quanto mais para o Sul da Argentina, mais frio e mais extensos são os dias durante o verão e mais curtos durante o inverno. Em Ushuaia, no Sul da Patagônia, o sol se põe às 22 horas no verão.

Nas regiões andinas de altitude e serras centrais, faz frio. Não se assuste com as temperaturas consideradas “médias mínimas”; afinal, as horas mais frias são as da madrugada.

A Argentina, felizmente, não é um país chuvoso; em especial, em Buenos Aires, chove bem pouco. Para os turistas, uma das melhores épocas para visitar a capital, aliás, é o início do outono quando os dias são quentes e as noites são frescas.

Se você pretende conhecer o extremo Sul (Patagônia e Terra do Fogo), atenção para os meses de julho e agosto, quando é extremamente difícil viajar pela região por conta das temperaturas médias mensais muito negativas.

E você? Qual o seu lugar favorito na Argentina?  Fale para a gente nos comentários sobre os pontos turísticos na Argentina! Não deixe de compartilhar esse artigo com os amigos nas redes sociais.

Aproveite para conferir nossas promoções de passagens aéreas para Buenos Aires.

Classifique esse post