Você sofre de síndrome do viajante? Depressão pós-férias

O som de algo a sensação de cansaço, desmotivação, falta de energia e dispersão que se costuma afetar ao terminar as suas férias? É um dos grandes problemas que enfrentam os viajantes: chegar em casa, desfazer a mochila, colocar a máquina de lavar roupa e dormir que amanhã tenho que trabalhar.Em resumo, essas sensações significam que você está sofrendo a tão temida depressão pós-férias.


O mal do viajante ocasional


Quando você é um apaixonado por viagens, mas apenas pode desfrutá-lo em seu período de férias, cria-se um pequeno estado de angústia, uma sensação de injustiça quando se está a pensar que se um ano tem 52 semanas, por que razão só pode fazer o que se gosta, 3 ou 4 delas. Essas sensações negativas que já tem, durante todo o ano, se acentuam e aumentam a sua volta ao trabalho.


Você sempre sonhou em poder escolher quando viajar, ser livre e marcar o seu próprio calendário de viagens mas isso, desde que siga trabalhando para um terceiro, você será impossível. E se, além disso, seu trabalho não se apaixona ainda será melhorada.


O que é a depressão pós-férias?


Falamos sobre a depressão pós-férias , mas, o que é realmente?


No momento em que terminar umas férias ou um período de lazer prolongado e iniciar de novo a vida ativa, há uma fase de adaptação para voltar à rotina diária. Quando essa fase de adaptação custa mais do que o normal e começamos a notar diferentes sintomas que nos fazem ainda mais difícil, se costuma falar de síndrome ou depressão pós-férias.


Quais costumam ser estes sintomas?


Os sintomas podem ser tanto físicos como psíquicos e não tem por que sufrirlos todos de uma vez.


Normalmente a depressão pós-férias se pode notar pela diminuição do humor, a motivação e o desempenho no trabalho. Você é menos produtivo do que antes, pode ser devido a um estado de cansaço, falta de atenção, distração e dispersão. Há uma falta de concentração e tem dificuldade de concentrar toda a sua atenção.


Você também pode ter falta de sono, uma sensação de fadiga, dores musculares ou falta de apetite.


A nível mais pessoal permite estar mais triste, nervoso ou irritado.


Como você pode ver, não é bem-vindo a sofrer a síndrome pós-férias, nem para si mesmo nem para o seu ambiente, pelo que há que tentar saná-lo da melhor forma possível. E aqui vem a boa notícia: você pode fazer!


Fatores que aumentam essa síndrome viajante


1. Rotina


A rotina costuma ser ruim em todos os sentidos. Faz você se acomodar e não sair de sua zona de conforto. Voltar a esta área pode fazer você se sentir menos útil e ativo, e isso pode influenciar baixar o ânimo. Há que se lembrar que, enquanto você estiver de viagem, sais constantemente fora de sua zona de conforto, arriesgándote e aprendendo coisas novas. Voltar a um estado de absoluta tranquilidade, onde você tem tudo controlado, pode fazer descer a guarda e isso é abrir a porta de entrada para as sensações negativas que traz consigo a depressão pós férias.


2. Um trabalho que não gosta


Não há melhor amigo para a depressão pós-férias, que um trabalho que você não gosta. Se em um dia normal, porque te custa levantar para ir trabalhar, vai desganado, sem nenhuma motivação ou vontade, imagine isso multiplicado por mil, ao voltar de férias.


3. O mau ambiente de trabalho


Ter um ambiente viciado em trabalho, que não gostou e o que não gosta de estar é outro dos fatores que aumentam os sintomas da síndrome pós-férias. Chegar a um ambiente inóspito, não faz com que o pouso seja mais motivador, e isso pode dar-se também nos estudos, ou onde quer que precise voltar a cumprir com a rotina.


4. Não poder escolher suas férias


A falta de liberdade para poder escolher quando e como fazer suas férias pode fazer com que o ambiente de trabalho é prejuízo. Não poder planejar a sua viagem e que sua empresa se marque as datas e a duração pode afetar seu humor. Se, devido a estas restrições, você tem que modificar alguns fatores, como poderiam ser:



  • o coincidir com o seu parceiro ou amigos para fazer a viagem juntos

  • o poder de escolher a melhor época para esse destino sonhado há anos

  • o ter que reduzir a duração da viagem

Uma vez que você voltar da viagem, esse ressentimento continuará lá e vai aumentar a sensação de irritabilidade e falta de motivação.


4. Salário baixo que não possa viajar para onde quiser


O tema do dinheiro, obviamente que também influencia, quanto melhor estiver pago melhores viagens que você pode fazer. Se o seu sonho é viajar para o outro lado do mundo, mas o seu salário não lhe permite e o máximo que você pode fazer é ir de camping a 100 km de sua casa, também afeta o seu retorno à rotina.


Como amenizar os efeitos da depressão pós-férias


Vamos ver uma série de medidas para prevenir e para vencer a depressão pós-férias e torná-lo muito mais fácil. Alguns desses passos são pré-mesmo saindo de férias, e outros são técnicas muito simples para poder fazer mais suportáveis os primeiros dias de trabalho.


1. Prevenção


Quando você está pensando no seu caminho, pense em reservar os últimos dias de sua viagem para descansar e relaxar o máximo possível. Ou seja, se você não planejar um trekking de 20Km o dia antes de voltar melhor e se, além disso, você pode reservar seus 3 últimos dias para desfrutar das praias mais paradisíacas do seu destino melhor.


Planeie o seu plano de retorno


Quando estiver começando a planejar a sua viagem pensa também nos dias posteriores ao regresso. Tenta não voltar de férias o dia antes de trabalhar para dar um respiro e mentalizarte para o que vem. Desta forma, você terá um dia ou dois para voltar a utilizar os horários, o clima e o ritmo de sua cidade.


Não gaste todos os seus dias livres


Reserva algumas economias para fugir outra vez dentro de alguns meses. Se você guardas 4 ou 5 dias de folga e, juntas, com algum fim de semana você dará para poder fazer alguma escapada mais antes de acabar o ano. Dividir o ano em umas férias longas e uma escapadela larguita aos 6 meses, farão com que o seu ano de trabalho não seja tão pesado. Além disso, com isso a cada 6 meses, você mudará de ares e você terá poucos meses pela frente para se preparar para a próxima aventura. Será mais suportável.


2. Atuação


Mude sua rotina


Ao voltar a trabalhar já disse que tem que se adaptar de novo à rotina que tínhamos. Pois bem, e se você aproveitar esse retorno para fazer algumas mudanças na sua rotina? Mudar alguns hábitos pode ser um estímulo para pegar de novo motivação em seu dia-a-dia. Pense em 3 atividades que você gostaria de incluir em sua rotina e em alguma que você gostaria de excluir e começar a fazer isso. Você vai ver como os primeiros dias se tornam mais confortáveis e você terá a cabeça mais distraída.


Aumento progressivo da produtividade


É comum agobiarse o primeiro dia, porque você vê que não te concentras igual e não produzir o que acostumbrabas a produzir. Não se pressões, não tente ser produtivo desde o primeiro dia, e desde o primeiro minuto, porque é impossível. Você está readaptándote ao trabalho e isso tem o seu processo.


Um segredo: você pode ficar tranqüilo, porque a todos lhes acontece o mesmo, a seu chefe, seu colega ao lado, para a secretaria e, claro, a você, não se preocupe.


Começa a trabalhar em tarefas menos pesadas


Planifícate para o primeiro dia, as tarefasmaissimples ou as que você gosta de fazer. Pouco a pouco já vai introduzindo as mais difíceis ou desagradáveis. Desta forma irás fazendo tarefa de forma progressiva e te ajudará a pegar o ritmo.


Descansar


Durma, descanse as horas necessárias. Se no estado em que está, acima vai com sono para trabalhar, sua jornada pode ser um inferno. Não se esqueça de descansar o que lhe for pedido para o corpo.


Reúna-se com seus amigos e sua família


Se você está em um estado de depressão, o que melhor para levantar o ânimo que seus amigos e sua família? Mantenha a sua vida social ativa, não se encierres em casa. Aproveita para contar as férias e será como se as revivieras de novo.


Comece a planejar suas próximas escapadela


Este ponto faz parte da prevenção, mas também de atuação. Não deixe nunca de fazerplanos.


Faça atividades que você gosta e se lembrem suas recentes férias


De certeza que durante as viagens que você fez atividades que não permite fazer em sua vida diária, mas gostaria de continuar gostando. Faça isso. Não há nenhum impedimento para que não possa fazê-las por muito que já não quer esteja de férias. Aproveita as tardes e fins-de-semana. Se algo que você gosta não tem por que deixar de fazê-lo.


Escreve um diário ou publica um álbum e compartilha o que você tenha vivido.


Você é um apaixonado por viagens, ainda muitos blogs de viagens, você sabe que há pessoas que se ganha a vida com seu blog de viagens, por que não começar o seu próprio blog de viagens? Começa a escrever e a contar as suas histórias, gosta de compartilhar suas dicas e experiências. Talvez em um tempo se decide a entrar mais a sério com isso e já terá muito caminho antecedência.


Como libertar-se totalmente da depressão pós-férias


Até agora vimos como suportar ou superar a depressão pós-férias e agora vamos dar algumas dicas um pouco mais directos, se você quiser eliminar a depressão pós férias de sua vida você tem duas opções:


1 – Se você não gosta do seu trabalho, considere trocá-lo por um que se apasione


Se o seu trabalho te amo, te deixa louco, você gosta realmente e desfruta com ele não poderá sofrer depressão pós-férias. Voltará muito feliz a trabalhar e serás ativo e positivo desde o primeiro dia.


2 – como Começar um projeto próprio com alguma das ideias que surgiram de férias


Durante as férias, se ocorrer as melhores ideias, porque a sua mente está mais livre e desimpedida. Se alguma destas ideias empurrá-lo para iniciar um projeto próprio igual é hora de fazê-lo. Se você trabalha para si em algo que você gosta, não terás a síndrome pós-férias. Além disso, é provável que este projeto lhe permita a liberdade para escolher quanto e quando viajar.


Como você vê a depressão pós-férias é muito má amiga do viajante. Não há que aprender a viver com ela, mas a impedi-lo e para-desportivos mas a sua aparência não é motivo para deixar de viajar. Isso nunca!



Este artigo foi escrito para Mochileros.org por Victor, convidado do blog Você a Sua Vida com dicas de viagem. Dê uma olhada em seu site para saber mais.

EtiquetasArtículos interesantesConsejos de viajerelatos de viajesaludTips turistas de mochila às costas

Classifique esse post